Páginas

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Acervo LLM: Resenha de A Última Casa da rua


 Olá leitores! Como estão?

Eu (Joyce) e equipe, viemos aqui hoje compartilhar com vocês a resenha de um livro do acervo do LLM. Publiquei esta resenha no A Thousand Lifetimes tem um tempinho, blog em que eu e Leticia participamos, mas seria interessante que vocês o conhecessem por aqui também. Confiram conosco:


Título: A Última Casa da rua

Autor: Jonathan Mostow, Lily Blake e David Loucka

Editora: ID                                                                            

Gênero:Suspense

Ano de lançamento:2012 

Status: Livro único    

Páginas: 184                                                                 

Skoob: Link



O livro conta a história de Sarah e sua filha Elissa. Sarah resolve mudar-se com sua filha Elissa de Chicago, lugar onde viviam, para morar na cidadezinha de Syncamore Lane, pois Sarah queria reforçar os laços que havia perdido com a filha (já que o seu marido e pai de Elissa as abandonou, piorando consequentemente a relação afetiva entre as duas) e ela também temia que sua filha tivesse o mesmo futuro que o seu: engravidar-se cedo e se vê obrigada a casar muito jovem.

                                                        “Quatro anos depois...”

Então, essa mudança para Syncamore Lane, representa pelo menos para Sarah, um novo recomeço das duas, uma nova vida. Ao chegarem lá, na casa que a mãe de Elissa alugou, ao ver aquela casa enorme, diferentemente do apartamento onde viviam, Elissa começa a pensar que essa ideia da mãe talvez possa dar certo mesmo, despertando a esperança na jovem com uma vida melhor. A casa para onde se mudaram era realmente muito boa, espaçosa e no bairro ideal (de ínicio achamos né?!), porém, só foi acessível ao bolso de Sarah porque há quatro anos aterrorizantes atrás, na casa ao lado onde iriam viver, aconteceu um duplo assassinato da família dos Jacobsen.


Carrie Anne, a única filha e a mais nova do casal que sofria de danos cerebrais, pois quando era menor caiu do balanço de sua casa enquanto brincava, deixando-a como sequelas e surtos psicóticos frequentes, matou seus pais com golpes de martelo e, depois disso, dizem ter fugido para o bosque que envolvia a casa, desvalorizando os imóveis circunvizinhos, principalmente o novo lar de mãe e filha.

“Mas não foi sempre assim naquela casa. É incrível como, de repente, as coisas mudam e os acontecimentos ruins se acumulam. A família que vivia ali foi assombrada pela má sorte, os momentos trágicos chegando sempre antes e com maior intensidade que os mínimos momentos felizes.”

Com o convívio com a nova vizinhança, as duas acabam sabendo do ocorrido na última casa da rua, o que as abala, mas mesmo assim Elissa se sentia um pouco confusa com o que os vizinhos diziam sobre a família Jacobsen, principalmente sobre o irmão de Carrie Anne, Ryan Jacobsen, que voltou a morar na casa onde tudo aconteceu. Caracterizavam-no como uma pessoa tímida, estranha e que até deveria ter problemas também. Afinal, não é normal que uma pessoa volte a viver no mesmo local onde seus pais foram assassinados, não é? Elissa não pensava bem assim, ela queria entender e não gostava de julgá-lo antes mesmo de o conhecer, como aquelas pessoas faziam e até sua própria mãe.

“– Estúpido da minha parte, não é? Eu até costumava deixar umas coisas para ela no bosque, comida, cobertores, mesmo sabendo que ela jamais conseguiria sobreviver lá fora. A coitadinha deve ter passado fome até a morte. Ela era incapaz de se virar sozinha. Precisava de cuidado constante. Meu pai queria mandá-la para algum lugar especializado, mas minha mãe nunca permitiu. É por isso que eles me mandaram embora. Eles já tinham muito com que se preocupar.”

Numa noite, sozinha, após um dia cheio de nervosismo e humilhante, Elissa não tinha outra alternativa senão voltar a pé até em casa, já que a sua mãe estava de plantão no hospital. Conforme andava na estrada e a chuva caia incessantemente, apareceu um carro que a ofereceu uma carona. Para sua surpresa era Ryan, de início ela sentiu-se um pouco indecisa em aceitar, mas acabou cedendo e pegando a carona com ele. Nisso, ao conhecer o rapaz melhor se é que se dá para conhecer alguém logo de cara, ela percebeu que não havia nada de estranho nele como corriam os boatos na pequena cidade e o achou  até interessante, despertando entre eles uma grande atração.


Depois desse dia, Sarah ficou preocupada com essa nova amizade da filha, o que só fez aumentar o distanciamento e briga entre as duas. Entretanto, Ryan e Elissa aproximavam-se cada vez mais, o instinto protetor e de bom moço dele, encantava Elissa e ela não gostava das suspeitas feitas a ele.  Mas um dia todo esse deslumbramento pelo rapaz foi por água abaixo. Talvez o estranhamento e suspeitas que haviam sobre ele tivessem realmente um fundamento.

                                                              “Tudo estava acabado.”

Pois bem, quando acabei de ler esse livro fiquei boquiaberta, que final surpreendente! Meu Deus! Fiquei um pouco desapontada porque assim como o amor de Elissa aumentava por Ryan, meu apego com ele também e acontece toda a reviravolta. Achei o enredo maravilhoso, pena que o livro é muito pequeno, são apenas 184 páginas, o que faz que os acontecimentos sejam rápidos, nada de muitos detalhes, é muito objetivo! Ah, vale lembrar que o contrário dos livros que viram adaptações de filme, esse livro foi baseado no roteiro do filme, diferente, não?! Talvez por isso que seja tão curto. Sendo Elissa estrelada por Jennifer Lawrence (a Katniss de Jogos Vorazes).


Recomendo a todos, é de fácil, envolvente e rapidíssima leitura, em poucas horas você termina!

Música: o que aprendemos com ela?

              Olá visitantes! Tudo bem com vocês?

Constantemente estamos ouvindo música, pois isso tornou-se algo indispensável à vida humana.
É muito bom ouvir uma boa música, pois ela tem capacidade de nos deixar mais felizes, aliviados, animados ou até mesmo, tristes, mas é melhor ainda quando ela passa uma mensagem e/ou aprendemos com ela. E é isso que quero mostrar para vocês hoje, mostrar o quanto uma música pode ensinar e criticar ao mesmo tempo que é uma fonte de lazer.
Aí segue uma playlist, que preparei com algumas músicas nacionais que conheço e que, a meu ver demonstram  o que acabo de mencionar :


1-    Que país é esse?  Legião Urbana

“Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?”

Que país é esse? É um clássico da música nacional, nem é preciso muitos comentários! O que Renato Russo tenta criticar é a situação do nosso país, apesar de ser uma letra escrita em 1978, ela retrata o Brasil atual também. Nos faz questionar as nossas ações, atitudes em relação à política, corrupção, desigualdade, escravidão, comodismo, etc.

2-    Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones – Engenheiros do Hawaii

“Cantava viva, à liberdade
Mas uma carta sem esperar
Da sua guitarra, o separou
Fora chamado na América...
Stop! Com Rolling Stones
Stop! Com Beatles songs
Mandado foi ao Vietnã
Lutar com vietcongs...”

Essa música que foi regravada pela banda Engenheiros do Hawaii, faz referência a um jovem que foi chamado a lutar na guerra do Vietnã e acabou morrendo. Sendo, assim, uma crítica à situação de milhares de jovens que não só nessa guerra mas, em várias outras foram obrigados a deixarem suas vidas normais, suas famílias, seus hobbies para enfrentarem o mundo violento da guerra e acabaram sofrendo com suas consequências desastrosas.

3-    Até quando – Gabriel Pensador
Você tenta ser feliz, não vê que é deprimente, seu filho sem escola, seu velho tá sem dente
Cê tenta ser contente e não vê que é revoltante, você tá sem emprego e a sua filha tá gestante

Você se faz de surdo, não vê que é absurdo, você que é inocente foi preso em flagrante!

É tudo flagrante! É tudo flagrante!

Esse rap de Gabriel  O Pensador faz fortes críticas sociais e políticas, ao quanto nos calamos e somos omissos a problemas cotidianos, com os quais sofremos  mas, preferimos ocultá-los ou mesmo fingirmos que não existem! Ele nos  convoca a refletir sobre tudo isso e nos faz pensar: Até quando continuaremos acomodados? Não deveríamos ser a mudança de que o mundo tanto precisa?

4-    Apesar de você – Chico Buarque

“Hoje você é quem manda
Falou, tá falado

Não tem discussão

A minha gente hoje anda

Falando de lado
E olhando pro chão, viu
Você que inventou esse estado
E inventou de inventar toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar o perdão” ♫ ♪

Esse clássico de 1970 da MPB, faz uma crítica ao regime ditatorial da época, do qual ele (Chico Buarque) mesmo sofreu junto com  diversos músicos, como Caetano Veloso e Gilberto Gil, onde não havia liberdade de expressão e muitas músicas eram censuradas. No entanto, essa música foi liberada devido a grande astucia de Chico, ao escrever a letra de forma que a crítica passasse despercebida aos olhares dos torturadores, porém traduzia a grande indignação e revolta em relação aos sofrimentos passados por muitos daquela época.

5-    Ideologia - Cazuza

“Meu partido é um coração partido

E as ilusões estão todas perdidas

Os meus sonhos foram todos vendidos

Tão barato que eu nem acredito
Eu nem acredito
Que aquele garoto que ia mudar o mundo (Mudar o mundo)
Frequenta agora as festas do Grand Monde”

Ideologia, nada mais é que, um sujeito que se vê insatisfeito e triste com a situação do seu país
“A música, por sua vez, é muito pessimista, porque, na verdade, é a história da minha geração, a de 30 anos, que viveu o vazio todo.” Cazuza
De sonhos, idealizações construídas ao longo do tempo mas que foram vendidas a preços banais, se enquadrando na mesmice da sociedade. E a necessidade de uma nova ideologia para viver, diferente das já difundidas.

Então galera, essa foi a minha interpretação pessoal de algumas músicas já bastante conhecidas e que trazem pra mim algum fundo questionador e moral.
O que vocês acharam? Conhecem essas músicas? Tem interpretações diferentes? Discordam ou concordam? Deixem as respostas nos comentários.

Obrigada pela visita!

VIVA À MUSICA BRASILEIRA \O/


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Desafio Letra Mente: Meus brinquedos preferidos da infância eram...

Oi, oi gente! Todos bem? Espero que sim!

Eu (Joyce) e minha equipe (Rafael e Mateus) estamos de volta nesta semana com as postagens do blog e viemos mostrar um desafio que ficou pendente de outras semanas.
Todos nós já fomos crianças, ou ainda somos, e uma das coisas que vem primeiro como lembrança dessa época são os nossos brinquedos. Confiram comigo o top 5 de Mateus, um dos integrantes da minha equipe, que listou seus brinquedos favoritos!

1-Bleibleide: Eu gostava muito desse brinquedo, ele fez parte da minha infância. Eu ficava horas e horas brincando com os amigos mas eu nunca tive uma bleibleide de verdade, daqueles que você comprava na loja. Então, o jeito era improvisar, eu pegava uma tampa de detergente e uma peça de bicicleta, juntava as duas partes e pronto! A diversão era garantida. 


2-Pipa: Sempre gostei de pipa! Eu adorava fazer de papel e ficava correndo na rua pra lá e pra cá com os amigos. Sempre via as pipas lá no alto e ficava maravilhado. Que saudade das minhas tardes empinando pipa!



  3-Pega- peixe: Esse brinquedo consistia em você pegar peixes com uma varinha. Ele funcionava assim: na ponta da varinha tinha uma corda e na ponta da corda tinha um imã e os peixes ficavam rodando e você tinha que grudar os peixes com a varinha. Era um brinquedo muito legal e divertido!


4-Super Nintendo: O melhor brinquedo de todos os tempos! Eu ficava a tarde toda jogando esse vídeo game. Ele vinha com fitas que tinham mais de 100 jogos e o melhor jogo, com certeza, era o Super Mário, eu já passei todas as fases dele. Enfim, esse brinquedo era demais!


5-Bola: Bom, a bola é um dos brinquedos mais legais com o qual já brinquei na vida! Eu passava boa parte do meu dia no campo jogando bola, era maravilhoso brincar com os amigos e colegas de escola. Êh tempos que não voltam mais!!!


Viram gente?! Com certeza já brincamos com alguns desses brinquedos, não é?! Que nostalgia!
E você, tem algum brinquedo que não foi listado aqui, mas é um marco da sua infância? Compartilhe conosco através dos comentários (:

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Paródias musicais: entreguem-se a este letramento!

Piuí! Piuí!
Gente linda que nos acompanha a bordo da LLM,

E ai? Vamos compartilhar momentos! Estou passando para fazer o registro da nossa 17ª oficina que aconteceu no dia 21 de outubro de 2014.

Pois é pessoal, já estamos a todo vapor! Eu junto com a tripulação LLM embarcamos em nossa locomotiva e partimos rumo ao letramento em paródias. Aliás, esse é o tipo de letramento que permeia o contexto de todas as disciplinas e que, além de constituir em aprendizado garantido, reserva muita alegria, criatividade  e criticidade por parte dos envolvidos em tal processo.

E foi pensando na abrangência deste letramento que nos entregamos à viagem e de inicio contemplamos a paródia “Prevenção das poderosas: show outubro rosa”. Começar visualizando paisagens de amor que nos chama a cuidar é sempre muito bom, não é?

Outra doce visão nos foi possível ao socializarmos o desafio da semana “Meus brinquedos preferidos da infância eram...” e podermos reviver aqueles mágicos momentos com muitas estripulias e brinquedos tão simples e mágicos como: fazer  bolos de aniversário a castelos com agua e terra e contar com espaços de sobra para gastarmos TODA energia! Ôh tempo feliz sem prisão e tecnologia! Amei os relatos!

Assim, com entusiasmo de crianças avistamos as paisagens dos tipos de parodias compartilhando a leitura de um texto, seguido de reflexões por parte do grupo e exemplos em vídeos e textos dos gêneros em que a parodia se apresenta, ou seja, apreciamos parodias dramáticas, gráficas, poéticas, sem nos aprofundarmos e a musical de forma mais intensa, com o objetivo de melhor nos inteirarmos sobre  seus propósito e processos de produção.

Sobre a paródia musical vimos dicas do que facilita em sua produção, assistimos vídeos para melhor esclarecer as dicas, apreciarmos a criatividade e/ou criticidade de umas e a comicidade de outras. Cantamos e nos divertimos muito com as abordagens que cada parodia ou trecho selecionado propunha. Sabe aquelas paisagens que além de belas proporcionam alegria? Foi por essas que a nossa locomotiva viajou no decorrer da tarde!

Já pressentindo o aproximar da estação e chegando ao final de nossas reflexões sobre parodias musicais cada uma das cinco equipes fez o sorteio do tema sobre o qual irá produzir uma paródia a ser apresentada em oficina para socializa-las com o grupo e posteriormente com o LLM por meio de postagem. Os temas propostos foram:

* Profissão: como escolhê-la?;
* Família e seus conflitos;
* Alimentação saudável;
* Respeito ao próximo em suas escolhas e características pessoais;
* Responsabilidades com atribuições  escolares.

Esperamos que, como sempre, a tripulação arrase em suas criações e nos façam viajar por incríveis paisagens! Tomara que não falte o  mico! ;) 

Vamos à galeria de fotos?!

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

SORTEIO! Embarque na Locomotiva e concorra a muitos prêmios!


Galerinha amiga do LLM, sabiam que estamos comemorando nossos cinco meses e meio de convivência e muita aprendizagem?
Com mais de 53 postagens no blog, vamos fazer uma promoção para que a comunidade CEIN interaja com o projeto Pró-EMI e as postagens relacionadas ao cotidiano escolar e social dos nossos alunos.
Assim a partir dos comentários em quaisquer postagens vocês concorrerão ao sorteio de dois Kits incríveis! Rô, rô, rô, rô! O Natal chega mais cedo no LLM!

Isso mesmo prestem atenção nas regras e não percam tempo, pois o sorteio acontecerá dia 12/12/2014 e esta promoção que conta com o patrocínio do Pró-EMI e CEIN. Está valendo desde já (22/10/14)!

REGRAS DO SORTEIO:

→ Valido apenas para os alunos do Colégio Estadual Idalice Nunes (CEIN);
→ Serão sorteados 2 ganhadores o 1º ganhador escolhe um dos kits o 2º fica com o kit restante;
→ A promoção terá validade de 22/10/2014 até 12/12/2014;
→ Para participar da promoção é obrigatório ser seguidor do blog (Para isso vá na guia "Seguidores" na barra lateral à direita e clique em "Participar deste site", entrando por sua conta de e-mail que você usará para comentar as postagens);
→ Só será válido um comentário por postagem e o mesmo deve ser pertinente ao conteúdo da postagem em evidencia;
→ Você pode comentar em qualquer publicação do LLM entre os meses de maio e dezembro de 2014 até a data do encerramento da promoção; 
→ Devem ser preenchidas todas as informações do formulário;
→ Qualquer descumprimento das regras ou irregularidade na participação implicará em desclassificação do participante;
→ O sorteado será contatado  em até 72h após o sorteio, caso não compareça na escola para receber seu premio um novo sorteio será realizado.
  
Kit 1: 1 Box de Jogos Vorazes, chocolates da Cacau Show, 1 pen drive, 1 kit escolar completo, uma bola de futebol e um marcador de páginas LLM.

Kit 2: Coleção da Série  Os Instrumentos  Mortais, chocolates da Cacau Show, 1 pen drive, 1 kit escolar, uma bola de futebol e um marcador de páginas LLM.

Inscreva-se no formulário abaixo!

sábado, 11 de outubro de 2014

LLM colabora com o projeto Ecoteca e produz resenhas literárias

Piuí! Piuí!
Gente linda que nos acompanha a bordo da LLM,

E ai? Vamos compartilhar momentos! Estou passando para fazer o registro da nossa 15ª e 16ª oficinas que aconteceu/acontecerá nos  dias 07 e 14 de outubro de 2014.
Apesar do trabalho ter sido no ritmo de formiguinhas o resultado, por horas, é meio tartaruga...:D Valeu, mesmo assim! "lol' 
Na verdade a nossa locomotiva está necessitando de um breve hiato em suas atividades cotidianas, pois em decorrência de uma enfermidade que me acometeu não tenho estado em condições de dar a assistência que a tripulação necessita para atear fogo na fornalha e pôr a nossa locomotiva nos trilhos.

Assim a tripulação tem aproveitado deste intervalo para fazer umas viagens nas paginas de alguns livros e colocarem suas resenhas no papel, pois na oficina do dia 21 de outubro estaremos socializando as leituras feitas e vocês saberão o que nossos tripulantes viram nas paisagens em que viajaram enquanto viviam esse hiato aqui no LLM.

Então, assim ficou acordado com a tripulação: alguns dariam uma mãozinha a mais na organização da biblioteca e sobre isso eu retomo um pouquinho mais adiante, e mesmo assim, também, usariam o período de 07/10 à 21/10 para, junto com os demais, começarem e concluírem suas leituras que tomarão forma de resenha critica no período destinado à oficina do dia 14/10, ou seja, as aulas dessa oficina serão para a produção de resenhas individuais que os alunos farão apoiados em material que lhes proporcionei como suporte  e com a finalidade de que no dia 21/10 socializem suas resenhas e assim  cheguemos à conclusão de quais serão publicadas aqui no LLM.

Esclarecido sobre o processo destinado à oficina do dia 14/10, vamos então ao que aconteceu no dia 07/10. Com a metade da tripulação, eu ( mais orientando que atuando de fato, pois a medicação para o meu tratamento de herpes zoster em pouco colaborava, já que havia iniciado há pouco), Ana Vitoria e Jessica (responsáveis pelo projeto) estávamos ali na biblioteca naquela tarde para tentarmos organizar o que conseguíssemos dos livros nas prateleiras separando-os por gêneros literários, esse processo rende tanto quanto os passos de uma tartaruga em dia de maratona.

De inicio tentamos nos orientar pelos livros de catalogação do acervo da biblioteca, mas vendo que seria impossível chamamos a coordenadora pedagógica da escola Marinalva Teixeira (Nalva), que é uma das colaboradoras e incentivadora do Projeto Ecoteca, para nos ajudar neste quesito e num consenso, eu, Nalva e as duas alunas responsáveis pelo projeto  (Ana Vitória e Jessica) decidimos que deveríamos selecionar empilhando os livros de mesmo gênero no chão, para depois recolocarmos nas prateleiras que serão  reetiquetadas com seus devidos gêneros e um funcionário da escola irá catalogá-los, pois o acervo já não é o mesmo que havia em 2007, data da última catalogação.

E foi a esse trabalho que nos dedicamos durante toda aquela tarde! É uma pena não podermos acompanhar todo o processo de revitalização da biblioteca do CEIN, mas como o projeto contará com outras colaborações, do tipo de um grupo de professores que estará passando por lá para cuidar do mural e outra partes ornamentais e ainda terá a colaboração de outros grupos de alunos que trabalharão no turno oposto ao das aulas junto com as meninas responsáveis pelo projeto Ecoteca e a coordenadora Nalva, os trabalhos continuarão e quando tudo estiver pronto prepararemos uma publicação especial e compartilharemos todo o resultado aqui com vocês.

Não deixem de sempre dar uma passadinha por aqui, pois qualquer novidade passamos para compartilhar com vocês! Beijos!

Ansiosa pelo produto final! :D Enquanto isso vejam como foi o nosso trabalho aqui relatado!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

LLM entrevista Joandrison aluno do CEIN e vencedor do FACE da Regional DIREC 30

Olá galera do LLM e visitantes! 

Eu (Ruth) e minhas colegas: Joelma e  Darlane estamos aqui mais uma vez, pra falar a vocês o quanto estamos orgulhosos do nosso talentoso Joandrisom Santos, pois em tantos anos de FACE (Festival Anual da Canção Estudantil) nunca tivemos a honra de passar da 1ª fase.

Então para mostrar o quanto nós do Colégio Estadual Idalice Nunes somos reconhecedores da importância que o participar e sair vitorioso dessas duas primeiras fases deve ter para a vida do nosso colega Joandrisom resolvemos prestar-lhe uma homenagem e registrar aqui no LLM a nossa gratidão por ele estar nos representando tão bem e demonstrar o nosso apoio para a próxima fase.

Para que todos conheçam melhor e tenham, ainda, mais motivos para torcer pelo nosso representante convidamos Joandrisom para uma entrevista e ele foi muito simpático como vocês podem conferir aqui abaixo. Além da entrevista conseguimos um vídeo  para que quem não esteve presente tenha uma certa noção de como foi a performance que lhe deu a 2ª vitória, vale lembrar que é um vídeo amador, então o áudio não deve ser levado em consideração.

Pessoal, é importante que o CEIN e todos os amigos torçam bastante para que o nosso representante consiga um lugar na final! 


Joandrisom Santos  1º lugar do FACE Regional recebendo os prêmios das mãos da Professora Joelisia do CEIN e da Diretora de  Educação da DIREC 30 Claudiana Lima Teixeira
LLM:Como surgiu a ideia do tema da música para o  FACE?

Joandrisom: Bom, o tema da música surgiu do aproveitar o momento propício para tal. Nada melhor que um ano político para mexer com temas do tipo: desigualdade social, preconceito racial, ou seja, tentar chamar as pessoas para pensar criticamente, pois isso para mim é um tema que deve afetar todas as classes sociais. Tipo todos estão envolvidos direta ou indiretamente em relação aos problemas que afetam a sociedade. Não é só: Pôh ele criou uma música que retrata a classe baixa, então só fala com as pessoas dessa classe, não a sociedade como um todo sofre as consequências desses problemas. Então esse tema aí foi mais propício, política, desigualdade social preconceito, enfim problemas sociais.

LLM: E qual a sensação de ter ganho a 2ª  eliminatórias do FACE?

Joandrisom: Pra mim uma sensação mais que extrema! Nunca participei de nenhum festival, foi o 1º da minha vida. E eu acho assim eu não fiz no intuito de ganhar. Eu Pensei: vou participar se eu ganhar seja o que Deus quiser. Então, ganhei até aqui e vamos lá!

LLM: Qual a sua expectativa pela final?

Joandrisom: Assim, acabei de conversar com Cármen a diretora da escola, foi até injusto porque agora mudou as regras. Não é mais todos que ganharam que vãos para Salvador, vai ter uma pré-seleção dos ganhadores de toda as DIRECs da Bahia.
Então, A expectativa? Era mais do que eu esperava! Só que agora estou  meio que... pra baixo até porque, Pôh! entre trinta competidores e vão escolher 15 a dedos! Eu acho que isso aí não é competição...

LLM: Joandrisom, você se sente preparando para disputar a final? Como tem sido essa preparação?

Joandrisom: Estou me preparando bem, até porque pelo fato de ser uma final, devo ter essa consciência, pois vou concorrer com vários competidores de qualidade, creio que será  uma competição de alto nível. O que passou a pegar, como falei antes o que vai pegar é isso que acabo de saber a tal da pré-seleção, então acho que atrapalhará um pouco minha preparação, mas mesmo assim vou continuar me preparando no mesmo ritmo que vinha, vai dá pra fazer uma coisa legal!

LLM: O que significaria para você ser o vencedor do FACE 2014?

Joandrisom: Bom ser o vencedor do FACE deve ser uma experiência única! Como lhes disse, por nunca ter participado de um evento do tipo, essas eliminatórias que consegui vencer já é uma grande conquista e me deixa muito feliz, pois é o resultado de todo esforço, foco e fé, assim espero que toda a  consequência seja resultados positivos!

LLM: Muito obrigada! Todos do CEIN estamos orgulhosos do que você conseguiu até a gora e torcendo muito por você na final. Boa Sorte!

Joandrisom: De nada, eu que agradeço pela força, e pelo apoio moral e ético.  Fico feliz sabendo que tem pessoas, queridas como as do CEIN torcendo por mim!

video

Pessoal, essa é a letra da música na integra:

Com respeito, sem preconceito

Necessidade bateu e a criança chorou
Mas o moleque cresceu e se revoltou.

Vivendo uma vida com desigualdade
O mensalão a pior malandragem.
Essa é a verdade, ninguém quer ver.
Preste atenção que eu vou dizer.

O garoto pedindo lá no sinal
Na fila do hospital gente passando mal
Cadê o emprego pra trabalhador?
Agora quer voto, “colé” seu doutor?

A vida é real não parece novela
Quem mora no gueto e nasce na favela
Criança quer ser jogador
Pra sua família vida melhor

Enquanto o pobre trabalha
Engravatados só pensam em roubar
Veja a situação que esse mundo vai chegar
Políticos roubando de montão
Pra comprar casa no Guarujá

Estamos na luta, na correria
Obrigado meu Deus, o pão de cada dia
Tem que ser forte para aguentar
A vida é difícil, mas Deus proverá.
A vida é melhor sem preconceito
Evolução se faz com respeito.

Joandrison Santos ( Eixo V B)

domingo, 5 de outubro de 2014

26 de setembro: dia nacional do surdo marcado com evento no CEIN

Olá Leitores e visitantes do LLM,
Essa semana meu grupo, formado por Joelma, Darlane  e  eu (Ruth) ficamos responsáveis para fazermos as postagens e viemos  falar sobre o Setembro Azul. Na segunda-feira o pessoal da sala multifuncional do ( Colégio Estadual Idalice Nunes) e os outros profissionais que trabalham com os surdos na nossa escola, as interpretes, a professora Maria Eunice, Ana Maria e Joilce Fernandes, organizaram, juntos com os alunos surdos, uma comemoração do dia nacional dos surdos, que é no dia 26 de setembro.
Parabéns a todos os que atuam na sala multifuncional, às interpretes e aos alunos com D.A! Lindo evento!
A programação aconteceu nos três turnos : Matutino, Vespertino e Noturno. Com todos os alunos da escola e o objetivo era justamente chamar a atenção dos alunos do CEIN em relação às datas importantes para a comunidade surda, explicar o porquê da importância das mesmas e informar um pouco a respeito da cultura surda e da língua de sinais e ao final da programação de cada turno foram distribuídas as fitinhas, que é o símbolo do “ser surdo”. A fita azul simboliza os surdos de todo Brasil.  
Essas fitinhas  são distribuídas no mês de setembro justamente pra divulgar esse movimento surdo e a cultura surda.
Durante o evento teve a apresentação de teatro e do hino nacional em língua de sinais, uma exposição a respeito da importância do setembro azul, por ser o mês que os surdos escolheram para divulgar e lutar pelos direitos em prol da cultura surda. Seguido do esclarecimento a respeito do trabalho que é desenvolvido aqui no CEIN com a comunidade surda.
Então basicamente foi isso que aconteceu nos três turnos, com a mesma programação para que todos alunos tivessem a oportunidade de assistir e conhecer esse trabalho tão importante que vem sendo feito junto à comunidade surda da nossa região e que vocês conhecerão maiores detalhes na entrevista  que fizemos com a professora Joilce Fernandes aqui abaixo:

LLM: Quando e como surgiu a ideia de ensinar  A Lingua Brasileira de Sinais no Idalice?

Joilce: Bom! O trabalho com surdos aqui no CEIN quem iniciou foi  a professora Maria Eunice Sampaio Guerra no ano de 1992, hoje ela mora em Santo Estevão,   essa turma funcionava na APAE (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais), só que houve uma reformulação no estatuto da APAE.
Então a mesma passou a atender só alunos com déficit intelectual e outras síndromes e com isso não atendia mais os alunos com surdez e os mesmo foram transferido para o Idalice Nunes em 96 ou 97 , não tenho precisão da data exata.
Em 97 quando eu comecei a trabalhar aqui estava dando inicio esse trabalho com a língua de sinais mas ainda não tinha muito material para se trabalhar, nos tínhamos só um livro que a professora Maria Eunice recebeu de uma amiga em Belo Horizonte, é um livro utilizado pelo pessoal das Testemunha de Jeová, eles distribuíam esse livro que tinha sinais utilizado pelos surdos, então a gente começou a utilizá-lo como base . 
E a partir de então, em 98, foi que intensificou a difusão da língua de sinais, porque teve cursos oferecidos pela secretaria de educação em Salvador para nós professores. Então, a gente concluía o curso voltava e ensinava aos alunos. E com a fundação da APADA (Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos ), também no ano de  98, tivemos contato com outros profissionais que trabalhavam com a língua de sinais com os surdos .

 LLM: Que dificuldades vocês encontraram no início? O que mudou desde então?

Joilce: A dificuldade maior com relação ao ensino de libras era justamente que no inicio não tínhamos muito material disponível o material era pouco e os alunos também não tinha noção do que era a língua de sinais. Eles não utilizava como uma língua, eles achavam que era como se fosse alguns sinais para poder facilitar a sobrevivência entre eles, mas alguns tinham até vergonha de utilizar a língua de sinais em publico.
Então agente sentia essa dificuldade em fazê-los entender a importância da língua de sinais.  Outra dificuldade que pesava  muito mais antes, mas que continua a existir é a falta de  participação da família no cotidiano dos nossos alunos surdos, pois a maior parte das família dos surdos não sabem língua de sinais e sim alguns gestos caseiros, não por falta de disponibilização de cursos que os ajudem, pois aqui na escola estamos sempre disponibilizando cursos básicos para ajudá-las nesse sentido, mas pela falta de consciência mesmo de que essa é uma atitude  que influenciará na melhora do padrão de vida dos seus filhos.

LLM: O que você imagina que poderia ser feito por parte da comunidade CEIN para ajudar no trabalho que vocês desenvolvem aqui na escola?

Joilce: Creio que poderiam ser feitos mais momentos de sensibilização, apesar de já acontecerem alguns, com a comunidade escolar para buscarem formas eficazes de interação com a comunidade surda que aqui esta inclusa, ou seja, deve haver mais momentos de sensibilização, porque conscientizar agente não conscientiza ninguém. Essa sensibilização seria para que toda a comunidade tivesse vontade de aprender a língua de sinas justamente para poder ter contato direto com os surdos que estão incluídos no ensino regular. 
Outra atitude que seria de grande colaboração para os alunos surdos tem a ver com o pensar em todas as atividades da escola desde as aulas em sala de aula até os eventos comemorativos como sendo possível adequar as atividades para que eles pudessem participar com autonomia e não sob a dependência de uma interprete. 
É um processo que demanda um pouco de empenho por parte de todos os envolvidos no sistema educacional, mas que é  possível, sim!

LLM: Qual é o grande beneficio que vocês percebem em relação ao trabalho que desenvolvem com a comunidade surda no Idalice?

Joilce: Pelo que nós observamos o maior beneficio é a autonomia que nossos alunos estão adquirindo com o passar do tempo, o crescimento tanto intelectual, quanto como pessoa e como cidadão.
Hoje temos vários alunos que há pouco tempo eram muito dependentes, não tinham  participação  nas atividades escolares ou mesmo naquelas voltadas à comunidade surda e hoje já é possível vê-los atuando em setores públicos, estão mas independente, buscando pelos seus direitos.
Então, o maior ganho é observar o quanto eles estão crescendo enquanto pessoas integradas ao convívio social, ampliando o conhecimento, buscando interação e ganhando em qualidade de vida.

LLM: Queremos agradecer pelo tempo a nós cedido e parabenizar a toda a equipe que atua aqui na nossa escola para fazer valer o direito de inclusão da comunidade surda. Tomara que os progressos continuem a acontecer!

Joilce: Nós é que agradecemos! E a sala multifuncional estará sempre de portas abertas aos que quiserem acompanhar e participar dos nosso trabalhos aqui no Idalice Nunes!

Pessoal esperamos que tenham gostado do conteúdo de nossa postagem! Temos aqui o registro de alguns desses momentos. Apreciem e façam seus comentários sobre o que leram e viram!
Nossa equipe agradece!

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

LLM colabora em projeto que instiga o letramento

Piuí! Piuí!
Gente linda que nos acompanha a bordo da LLM,

E ai? Vamos compartilhar momentos! Estou passando para fazer o registro da nossa 14ª oficina que aconteceu no último dia 30/09/2014. Conto o que aconteceu e depois vocês compartilham suas impressões sobre a mesma nos nossos comentários, ok?
Na verdade a nossa locomotiva desta vez, estava de convidada no passeio de uma galera consciente lá do IF (Instituto Federal) que veio colaborar com a nossa escola o CEIN desenvolvendo um projeto muito significativo e que na verdade representa muito para o nosso proposito enquanto buscadores do letramento em suas múltiplas vertentes.

Com certeza o fato de dar uma organizada no ambiente de nossa biblioteca escolar, pois esse sempre foi um desejo do grupo da oficina de leitura e letramento, bem como da Coordenadora da nossa U.E Nalva e dos professores em geral, para incentivar que toda a escola desenvolva ou cultive  hábitos de leitores, foi o que mais nos seduziu neste projeto.

O projeto Ecoteca Biblioteca Ecologica que as alunas do I Semestre  do Curso de Química Ana Vitória Santos, Jessica Fernandes e Rosalina Cotrim do Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia Baiano, sob orientação da docente Felizarda Viana Bebé, estarão desenvolvendo durante o mês de outubro aqui na nossa comunidade escolar. De já queremos expressar nossos agradecimentos e parabeniza-las por tão nobre ato!

O projeto em questão tem por objetivo  realizar oficinas de reciclagem para decorar a biblioteca da escola e assim garantir à mesma um ambiente acolhedor e de descobertas tanto pelo acervo que lhe garanta múltiplos conhecimentos, como pelo desenvolvimento de uma consciência ecológica que, também, é o resultado de leituras bem feitas sobre as atitudes e o consumismo humano. Um extrato da justificativa do projeto  confirma o que aqui coloco.

“ A Ecoteca na Escola Estadual Idalice Nunes pretende despertar a curiosidade dos alunos de entrar na biblioteca da escola, e se deliciar com diversas aventuras nos livros, pois a leitura é uma importante ferramenta da construção de um individuo. Os jovens são movidos na maioria  das vezes pela curiosidade, pelo novo e pelo diferente. Espera-se que esta  característica da Ecoteca chame a atenção dos alunos...”


O trabalho desta equipe do IF tem, entre outras, duas metodologias principais: incentivar os alunos a trazerem objetos recicláveis do tipo garrafas pet, pneus velhos e tantos outros e juntos trabalharem na confecção dos móveis e ornamentos para a biblioteca e um mutirão para desentulhar o espaço da mesma e organizá-lo na sequencia. Já que nos dispusemos em contribuir com a nobre causa, nossa primeira ação foi a de faxinar o espaço da biblioteca desentulhando-o. É incrível como esse espaço escolar tende a virar depósito!

Assim nos mutamos em vagões e carregamos tudo o que excedia e olhe que era quase tudo o que havia ali. Depois organizamos as prateleiras de forma a criar um espaço maior e agora vamos esperar pelas produções das alunos responsáveis pelo projeto junto com outros da comunidade CEIN, pois a próxima contribuição da LLM para esse projeto é organizar os livros nas prateleiras separando-os por gêneros. Há tanto esse nosso espaço não conta com um funcionário que se responsabilize única e exclusivamente dele que de biblioteca restou-lhe apenas o nome, ou seja, é quase impossível encontrar um titulo dos que foram catalogados há 7 anos dado a mistura em que se encontram.

Gente, precisamos ter a cultura de que uma escola sem biblioteca com espaço adequado e organizado, funcionário exclusivo para mantê-lo e cuidar para que suas regras vigorem e acervo literário significativo, é escola sem alma! Biblioteca é prioridade, tanto quanto professores em sala, merenda escolar, corpo administrativo trabalhando e todos os outros recursos indispensáveis ao bom funcionamento de uma escola. Como existir um espaço que prima pelo disseminar do conhecimento sem biblioteca ativa? Por favor!!!

Bem, amigos semana que vem estaremos por aqui para lhes mostrar um pouco mais de como está ficando a paisagem de nossa biblioteca, pelos cliques que lhes deixo, vocês comprovarão que os ares melhoraram muito! O projeto Ecoteca Biblioteca Ecologica é maravilhoso! E esse é o seu propósito:

"Almeja-se transformar a biblioteca da escola, conscientizar da importância da reciclagem e incentivar o hábito da leitura.”

Até breve!

P.S. Os livros didáticos que foram tirados da biblioteca serão doados aos alunos para ajudar nas atividades extraclasse e os demais serão utilizados como matéria prima para o projeto.